Ah, o terceiro trimestre de gravidez. Chega de repente! Na verdade, parece que demora muito para a reta final chegar, mas – sem mais nem menos – pronto; você ultrapassou a marca das 28 semanas de gestação!!!

E aí minhas queridas, vocês sabem, vem aquela enxurrada de pensamentos e sentimentos. Em primeiro lugar, vem aquela vontade imensa de ver o rostinho, ou ela aumenta! Ainda mais quando você sai do ultrassom com a seguinte informação: seu bebê já passou dos 40 centímetros e pesa mais de um quilo de meio!! É oficialmente um bebezão.

Tem também a parte prática. Tudo o que a gente estava refletindo em doses homeopáticas, decidindo com “tempo” e “calma”, passa a ser urgente. Sendo ou não. Na minha cabeça, só passa uma frase, quase como naqueles letreiros iluminados: “Tá faltando muita coisa!”. E está mesmo. Os detalhes nem tão necessários, e as coisas básicas que uma mãe prepara para a chegada do filho! Além de berço, cômoda, armário e poltrona, que simplesmente não foram entregues ainda, olha um resumo da minha check list:

– Cesto de fraldas sujas: no banheiro da Manu não tem espaço para mais nada que não seja o micro-lixo que temos por lá, preciso improvisar e não sei como!

– Fraldas (sim, elas!): acredite se quiser, mas ainda não tenho nem um pacote sequer de RN! Ganhei apenas dois, um P e outro M… Se continuar assim, nem de cesto vou precisar!

– Garrafa Térmica e pontinhos para algodão e etc: não comprei, não ganhei, nem ouço falar por enquanto.

– Prateleira de apoio: minha cômoda é pequena e vou precisar de uma dessas (para colocar a garrafa térmica inclusive), mas até agora não encontrei como quero.

– Almofada de amamentação: não usei com Léo, mas senti muita falta! Achei que fosse ganhar e nada! E quero uma que combine com o quarto, seja neutra, rosa básico… kkk

– Mesa de apoio para poltrona: sabe aquelas branquinhas redondinhas? Então, ainda não tenho! E são super úteis pra colocar o copo de água, a fralda de boca, a chupeta, etc. Poderia ser um esquema meio criado mudo também, mas…

Amor de mãe, amor de filho

– Abajour: com Léo eu usava apenas aquelas luzes que ficam na tomada, mas nunca enxergava o suficiente para uma troca de fraldas na madrugada! Mas o que gostei, esquenta a cúpula, aí logo pensei na Manu andando e colocando a mão!

– Absorvente para seios: não comprei ainda!

– Enfeite de Porta: Não fiz, não mandei fazer, não tenho a menor ideia do que eu quero dessa vez! E corro o sério risco de ir para a maternidade sem ele!

– Lembrancinhas: tenho opções que amei, mas pergunta se tive tempo de ir atrás?

– Doula:  Gostaria da presença de uma pessoa (além da equipe médica e marido) pra me apoiar na hora do parto, mas – acredite – não conversei com nenhuma!

No último post do “Diário de Grávida”, eu ainda estava calma, mesmo sem ter nada pronto; estava lidando bem com isso! Passados alguns poucos dias, saí lavando as roupinhas pequenas que nem louca, organizei o que vai pra maternidade e, exatamente por isso, saí correndo atrás de itens que faltavam. Achei que tivesse muitas peças RN, por exemplo, e não tinha quase nada! Havia esquecido da toalha de banho, e ainda não encontrei o casaquinho de frio para aquele tamanico de bebê que sai da nossa barriga! Sem contar a minha camisola, as pomadas…

Sim, ainda tenho umas 8 semanas pra ver tudo, mas imagina se tenho pique? No final, acho que muitas vezes só queremos repouso. E tem também a questão da segunda gestação! Parece que você fica lenta, acha que tudo vai dar certo e que o que faltar dá-se um jeito, afinal bebês não precisam de tanta coisa assim que não seja colo, peito, uma boa manta e fraldas! Só que chegando nos “finalmente”, a tranquilidade do início (e do segundinho) vai meio que por água abaixo, e te resta uma enorme ansiedade típica de primeiro filho – além de um cansaço gigantesco, e a curiosidade de ver as feições do mais novo amor da sua vida.

Amor de mãe, amor de filho

Bom, há uns 3 dias, meu marido disse que estou “desesperada”. Será? Eu disse que “muito pelo contrário, porque a maioria das mães na trigésima semana já têm tudo pronto!”. Pelo menos as de primeira viagem! To errada? Aí, conversando com uma amiga na mesma fase (e grávida não pela primeira vez), chegamos à conclusão de que nessa altura do campeonato, e principalmente na segunda, terceira gestação…: falta de tudo, você esquece de um monte de coisas, e fica louca querendo que o tempo passe. Não aguenta tanto o tranco mais. Só que não quer ter o bebê nos braços antes da hora, porque né?

Aliás, que loucura, nos últimos dias o que não faltou no meu círculo de amizades foram mães parindo antes do tempo (31, 34, 36 semanas!). Socorro. Se a Manu chegar antes já viram? Prefiro segurar a ansiedade de ver o rostinho, e curtir a correria de dar conta do que ainda não fiz! Inspira, expira.